Coletivos De Buenos Aires

Em Buenos Aires, coletivo (de “transporte coletivo”) é o nome dado a uma intrincada rede de por volta de 400 linhas de ônibus que percorrem a área metropolitana. Sua origem remonta a 1928, ano em que um grupo de taxistas decidiu fazer um percurso fixo, mudando bem como com um cartaz em sua parcela dianteira e permitindo subir pra mais de um passageiro.

Com o desaparecimento do bonde, tornaram-se o primeiro meio de transporte, absorvendo diversos velhos percursos. Dado ao teu desenvolvimento descentralizado e dinâmico, os coletivos da Cidade de Buenos Aires representam uma típica tradição portenha, e bem como são chamados coloquialmente com a palavra “bondi”. O negócio é controlado por poucas empresas privadas, a corporação que maior número de linhas é o grupo DOTA (Duzentos e oito transporte automotor) e segue A Nova Metropol, que conta com vinte e sete linhas na atualidade. O serviço de transporte automotor de a Cidade e a Região Metropolitana de Buenos Aires é composto por 91 empresas que operam 136 linhas de coletivos.

As paragens estão identificadas com um sinal que aponta o número da linha e uma síntese dos principais pontos do seu percurso. Cada linha tem um número e as unidades de uma mesma linha são identificadas por um ou até três cores.

A subida é feita pela porta da frente e a descida por trás ou na porta central. Para solicitar a descida o motorista necessita-se tocar a campainha que fica próximo à porta, antes da paragem de destino. O esquema de tarifas do serviço depende do curso praticado, de origem e de destino do passageiro, e do meio de pagamento.

A passagem em viagens urbanos se paga dentro do coletivo e antes podia ser feito com moedas, numa máquina para o efeito ou, com um cartão magnético pré-pago chamada “SOBE”, que assim como serve para as linhas de trens e o metrô.

Os coletivos prestam serviço durante as 24h do dia. Se bem que a partir das vinte e dois horas, a freqüência é reduzida a critério do prestador de cada linha, a organização tem a atribuição de prestar um serviço, no máximo, a cada 30 minutos.

O nascimento do coletivo pela cidade de Buenos Aires foi uma resultância da perda, até finais da década de 1920, as passagens de táxis, devido à amplo concorrência dos ônibus e bondes. Com efeito, em vinte de agosto de 1922 foi desenvolvida a primeira linha de ônibus de longa distância que prestou um serviço continuou pela cidade. A partir de por isso tinham sido desenvolvidas várias corporações e 13 de dezembro de 1923, foi aprovada a norma geral a respeito de serviços de ônibus. Em janeiro de 1924, de imediato existiam 16 corporações de ônibus e novas 16 com pedido de permissão. Por outro lado, existiam várias linhas de eléctrico, conhecido como trem em buenos aires daquela data.

Em 1928, no Café Da Montanha, de Carrasco e Rivadavia (alguns, na verdade, dizem que foi no canto de Rivadavia e Lacarra), se reuniam ao redor de alguns motoristas de táxi. Entre os mais entusiastas (referem-se à Desidério Rodríguez, Manuel Nogueira, Felipe Quintana, Aristóbulo Blanquet e Lorenzo Forte) surgiu a idéia de pôr em prática o “auto-coletivo”. A primeira linha da cidade circulou no dia vinte e quatro de setembro de 1928. Partia do Primeiro Conselho, parava pela Praça Flores e finalizando em Lacarra e Rivadavia. Logo após, uma placa de madeira sobre o vidro, anunciava-se o curso e o mesmo taxista era o que elegia o número de linha. Assim, a primeira linha, seguiu-se a “8”: a começar por Nazca e Rivadavia até a Praça de Maio.

  • Mirko silvestre 22 (discussão) 02:Cinquenta e três 4 abr 2017 (UTC)
  • 1 Antigos membros
  • 2Como o expressa a pesquisadora Pilar Riano
  • 2 Mitsuomi Takayanagi
  • 2 Viagens e nomadismo
  • Benítez: “Minha mentalidade a todo o momento foi invasor”
  • Pão de Pulque

Como as mulheres eram relutantes a subir os coletivos, os proprietários contrataram várias que viajavam para incentivar os outros a fazê-lo. Houve também linhas exclusivas para mulheres, sendo que fazia o serviço a Praça Flores uma das primeiras a ter esta modalidade.

Começaram também a pendurar um relógio de bolso no tabuleiro para poder vê-lo e cumprir o horário de chegada nos destinos. Havia taxistas que não gostavam de a inovação, em razão de se trabalha mais, e o auto podia quebrar menos difícil, visto que o excesso de peso.